sábado, 3 de outubro de 2015

período de reflexão

tenho 24 horas para reletir. mas não me ocorre nada sobre que refletir.
costuma acontecer sempre que sou obrigado a refletir. acabo por não refletir coisa nenhuma.
é que, primeiro, eu não sou nenhum espelho. e depois, se eu refletisse a sério, as pessoas viam as minhas coisas com a direita para a esquerda e com a esquerda para a direita.
como acontece em todos os reflexos.
e eu não estou para isso.


sábado, 13 de junho de 2015

santo antónio

ó meu rico Santo António,
que te haviam de arranjar,
a fama de casamenteiro
sem teres noiva pra casar.

ao que eu sei levas ao colo
um menino rechonchudo.
não sei quem é a mãe dele
nem se és o pai do miúdo.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

a construção de uma lenda

a publicação na íntegra do interrogatório de Sócrates para revisão da medida de coação é o último dos sinais da bandalheira a que chegou a Justiça em Portugal. 
se é para obter a condenação por falta de provas, se é para castigar porque sim, temos justiça caseira, justiça à moda dos autos-de-fé; 
se é para alimentar o sensacionalismo, temos de saber quem recolhe os lucros e porquê. 
uma coisa parece certa: para fazer justiça não será. 


e o que era preciso era que não houvesse qualquer dúvida, quer em matéria de provas quer em matéria de procedimentos. que não houvesse um tratamento privilegiado de certos jornalistas em relação a outros, levando boa gente a pensar que certas notícias são obtidas em condições pessoalmente especiais. 
e, acima de tudo, que não se tratasse um homem pior do que se trata todos os outros apenas por ser político e ser uma pessoa para queimar na praça pública. 
posso preocupar-me. amanhã pode ser comigo ou com qualquer amigo meu. ninguém pode sentir-se a salvo com esta justiça ou lá que é. 
e para dizer tudo o que me vai na alma, talvez não seja inteligente levar um homem para onde ele quer que o levem: para o terreno da lenda.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

bancos alimentares


o Estado leva-nos 40% ou mais do que ganhamos, supostamente para levar a cabo políticas sociais, de redistribuição da riqueza e de erradicação da pobreza. 
as grandes superfícies comerciais levam o lucro do que lhes compramos, seja para nós seja para dar de esmola. e o Estado cobra o respetivo IVA. 
e vejo com revolta que toda a gente continua a cair na esparrela. que os "bancos alimentares" ou lá que é, continuam estacionados nas grandes superfícies comerciais, colaborando no lucro dos hipermercados e do Estado e explorando o sentimentalismo do cidadão comum. 
e, é claro, com a nossa esmola nem resolvemos a fome dos esfomeados nem tiramos os pobres da pobreza. 
comida a ração que lhes toca da nossa dádiva, voltam de imediato a ter fome e continuam tão pobres como dantes. 
a solução da pobreza é política, dá trabalho, pelo menos obriga-nos a votar de maneira a correr com as cabeças do sistema. 
talvez não estejamos para isso. entorpecer a consciência é o que está a dar. 
damos a nossa esmolinha. não tiramos ninguém da pobreza nem da fome, damos a ganhar às grandes superfícies e ao Estado. 
e assim é que está certo. somos uns trouxas.

PS: às vezes apetece fazer como Jesus Cristo e correr à chicotada os novos vendilhões do templo...